26 de janeiro de 2022

Ataques ataques aéreos no Tigré deixaram mais de 100 mortos em 2022

Foto: EDUARDO SOTERAS / AFP

Hits: 0

Pelo menos 108 civis morreram desde janeiro deste ano em ataques aéreos que teriam sido realizados pela Força Aérea etíope na região do Tigré - anunciou a ONU, nesta sexta-feira (14), referindo-se a possíveis crimes de guerra.
"As partes em conflito devem (...) suspender qualquer ataque, se parecer que o alvo não é um objetivo militar, ou se o ataque for desproporcional. O não respeito dos princípios de distinção e proporcionalidade pode constituir um crime de guerra", advertiu a porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Elizabeth Throssell.
"Pelo menos 108 civis morreram e 75 ficaram feridos desde o início do ano, por ataques aéreos realizados pela Força Aérea etíope" nesta região, disse a porta-voz em uma coletiva de imprensa regular das agências da ONU.
O ataque mais mortal até o momento atingiu o campo de deslocados internos da cidade de Dedebit em 7 de janeiro, deixando dezenas de mortos e feridos.
"Desde então, foi confirmado que três das pessoas gravemente feridas não resistiram e faleceram no hospital (...) elevando o saldo desse único ataque para pelo menos 59 mortos", disse Throssell.
O Tigré é palco há 14 meses de um conflito armado entre o governo federal e as antigas autoridades locais da Frente Popular de Libertação do Tigré (TPLF), partido que governou a Etiópia por 30 anos até que o atual presidente, Abiy Ahmed, chegou ao poder em 2018.
Vencedor do Prêmio Nobel da Paz um ano depois de assumir o cargo de chefe de Estado, Abiy enviou o exército federal ao Tigré em novembro de 2020 para destituir o governo regional que questionava a sua autoridade há vários meses e ao qual imputou vários ataques a bases militares.
Nos últimos dias, a ONU denunciou uma "intensificação dos ataques aéreos", qualificando a situação como "alarmante".
O Tigré está sujeito a um "bloqueio de fato" da ajuda humanitária, segundo a ONU.
Em 9 de janeiro, o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) denunciou que a falta de suprimentos essenciais, como equipamentos médicos e combustível, "está afetando gravemente o atendimento aos feridos e levou o sistema de saúde à beira do colapso".
O conflito na zona já deixou milhares de mortos.
Os esforços diplomáticos para acabar com esta guerra aumentaram, assim como as atrocidades e a fome que atingem a população.

Por: AFP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *