Bolsonaro: ‘População na miséria vai depender cada vez mais do estado’

Hits: 0

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar, na noite desta quinta-feira (29), as medidas de lockdown adotadas no país para o combate à pandemia de Covid-19. Em sua tradicional live pelas redes sociais, ele disse que a ideia é manter a população na miséria para ela “depender cada vez mais do estado” e assim levar o país “para o socialismo, para o comunismo”. Bolsonaro abordou ao assunto ao lembrar que sempre disse que a população teria que conviver com o vírus. – Lá atrás eu falava: Temos que enfrentar o vírus porque infelizmente vai ficar para sempre. E o que a OMS diz essa semana? Que temos que conviver com o vírus, que levar anos para o vírus ir embora. Vamos ter que conviver (…) Mas temos que enfrentar, porque se continuar a política do lockdown, igual ao prefeito de Araraquara lá, o petista lá, “fica em casa, fica em casa, fica casa”, vai levar a cidade à miséria, apontou. Depois ele questionou se a esquerda mostrou preocupação com as pessoas que perderam empregos. – Vamos falar um pouquinho de ideologia. Ninguém tem dúvidas que destruiu empregos. Ninguém tem dúvidas que acabaram com rendas. E algum sindicalista defendeu esse que perdeu o emprego ou a renda? Algum petista governador ou petista prefeito ficou preocupado com o empobrecimento da população? Não, ressaltou. O presidente então afirmou que a ideia é manter o povo pobre. – Porque uma população na miséria é uma população que vai começar a depender cada vez mais do estado. E a tendência é dar um voto para ele. Eu gostaria que não tivesse isso tudo. Estamos fazendo isso [auxílio emergencial] não por voto, mas para atender a população que perdeu tudo. Agora para esses governadores e prefeitos, em especial os de esquerda, porque sempre tem alguns de centro que fazem a mesma política. E o empobrecimento da população leva a exatamente isso, a uma política futura levada para o socialismo, para o comunismo. Isso não pode acontecer em nosso Brasil, destacou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *