20 de setembro de 2021

Projeto do Campus do IFPE de Afogados da Ingazeira vai oferecer capacitação profissional em Agroindústria

Hits: 0

O projeto de Extensão “Programa de Capacitação em Boas Práticas de Fabricação, voltadas para o Processamento de Produtos Agroindustriais no Sertão do Pajeú” do Campus do IFPE em Afogados da Ingazeira, acaba de ser aprovado pela Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (FACEPE), do Programa de Extensão Tecnológica (PET). A iniciativa é da professora do Curso Técnico de Agroindústria Denise Josino e tem como instituição parceira a Rede de Mulheres Produtoras do Sertão do Pajeú, uma organização composta por 26 grupos de mulheres agricultoras e artesãs de municípios da região. O objetivo é promover a formação de profissionais tornando-os capazes de atuar de forma ética e crítica no controle de qualidade, no processamento e no assessoramento técnico de empresas do ramo do agronegócio/agroindustrial, incentivando principalmente as de pequeno porte, por meio de capacitação e experiências dentro delas. A etapa inicial do projeto será um curso de 30 horas voltado não só para estudantes do IFPE – Campus Afogados, mais também para profissionais da área e pessoas interessadas na temática, que será ofertado para 50 participantes de maneira remota. Este curso irá ocorrer neste mês de setembro. Na segunda etapa do projeto serão selecionados 10 estudantes participantes da capacitação para atuarem como bolsistas do projeto pelo período de 3 (três) meses (outubro a dezembro/2021), os quais irão receber uma bolsa no valor mensal de R$ 500,00. De acordo com a integradora do projeto, professora Denise Josino, a execução deste projeto irá trazer benefícios para os consumidores, pois irá garantir que os alimentos que serão comercializados e produzidos na região passem por um rigoroso processo de certificação da qualidade, e também para os empresários que, trabalhando aplicando as boas práticas, podem ampliar a venda dos seus produtos em outras cidades e estados. “Os participantes do curso e os estudantes envolvidos no projeto serão multiplicadores do conhecimento e, a longo prazo, espera-se que as condições de preparo de alimentos ocorram de mais maneira mais adequada, conforme preconiza a legislação de boas práticas de fabricação”, complementou a professora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *